AS Roma



A Roma se constituiu graças à fusão de três das equipes de futebol da cidade: a Alba Audace, o Roman e a Fortitudo Pro Roma. Tal decisão foi tomada tendo em vista o desejo de Italo Foschi, na época secretário da Federação Romana no Partido Nacional Fascista, membro do CONI e presidente da Fortitudo Pro Roma.

A data de fundação da A.S. Roma é foco de uma grande discussão: muitas fontes vêm, de fato, indicando que esta seria 22 de julho de 1927, mas na realidade a fusão já havia sido formalizada em 7 de junho do mesmo ano, como anunciaram no dia seguinte os principais jornais de Roma. Foschi deu corpo à ideia de haver uma equipe esportiva que portasse o nome da cidade de Roma e que pudesse ambicionar maiores resultados.

Nos primeiros dois anos de existência, a Roma jogava provisoriamente em Motovelodromo Appio, enquanto aguardava o término da construção do novo estádio para onde se transferiu e jogou até os fins da década de trinta: o Campo Testácio. A Roma conquistou seu primeiro troféu já na temporada 1927-28, aquela de sua fundação, vencendo sobre o Modena a Copa CONI, atualmente denominada Copa Itália.

A partir de 1930, a Roma pode finalmente transferir-se para seu novo estádio, o Campo Testácio. A este período está ligada uma das mais belas páginas da história romanista: o campo cheio e o público caloroso nas tribunas de madeira pintadas de vermelho e amarelo constituíram um elemento fundamental para motivar os jogadores a sempre darem o melhor de si em todas as partidas. Graças a isso, a equipe daqueles anos mostrava um jogo forte e destemido em frente a qualquer adversário.

Alguns dos protagonistas de tal período foram, além o capitão Attilio Ferraris, o goleiro Guido Masetti, o médio Fulvio Bernadini e o centroavante fiumano Rodolfo Volk, que marcou 103 gols com a camisa rubro-amarela. No verão de 1933, após a Roma ter vendido, com a oposição dos torcedores, o artilheiro Rodolfo Volk, dá três golpes de mercado ao adquirir os denominados três mosqueteiros argentinos: o pirata negro Enrique Lucas Gonzales Guaita, o médio-ala Alessandro Scopelli e o centro-médio Andrea Stagnaro.

Após uma década de boas campanhas, na temporada 1941-42 a equipe alcança o seu primeiro triunfo importante, mas inesperado: o scudetto, conquistado em 14 de junho de 1942 após a vitória sobre o Modena por 2 a 0 no Stadio Nazionale, atual Estádio Flamínio. Os anos trinta encerraram-se com a hegemonia do Bologna e da Inter Ambrosiana, que tinham dividido os dois últimos títulos, sendo assim os dois grandes favoritos.

O presidente Edgardo Bazzini não acreditava que a Roma poderia ser campeã italiana, já que a equipe rubro-amarela havia terminado na décima primeira colocação na temporada anterior. O personagem da conquista, com dezoito gols marcados, era um jovem atacante: Amedeo Amadei, carinhosamente apelidado pelos torcedores romanistas de fornaretto. Pela primeira vez na história, o título italiano havia sido vencido por uma equipe do centro da Itália, ao sul da Pianura Padana.

Em 1980-81 vem a década marcante, que tem início o infindável duelo contra a Juventus de Turim pelo campeonato. Os alvinegros acabaram vencendo, mas mesmo depois de tantos anos, ainda pesa sobre esta vitória um gol de Maurizio Turone injustamente anulado no encontro direto das duas equipes no Delle Alpi. Mas a Roma respondeu conquistando a Copa Itália de 1981, e vencendo a concorrência para acertar a sua melhor aquisição da história: Paulo Roberto Falcão comprado junto ao Internacional, clube em que até hoje é considerado um dos maiores jogadores da história.

Em 1982-83, então, chegou o tão esperado triunfo. Um gol de Pruzzo garantiu um empate com o Genoa, e a Roma garantiu matematicamente o seu segundo scudetto. O conjunto formado pelo técnico Liedholm era uma máquina perfeita. A defesa "impenetrável" tinha a presença de nomes como Franco Tancredi, Vierchowod, Nela e Aldo Maldera, o meio-de-campo contava com formidáveis como Di Bartolomei, Falcão, Ancelotti e Prohaska, e o ataque explosivo era puxado pelo bomber Pruzzo e por Bruno Conti, insistente pelos flancos.

A Roma estava em estado de delírio em mais uma extraordinária conquista e o cantor Antonello Venditti, estimulado por esta incrível atmosfera, compôs Grazie Roma, canção que se tornaria um outro hino romanista por excelência. Um ano depois, a equipe chegou à final da Copa dos Campeões no também seu, Estádio Olímpico. Naquela noite, porém, o Liverpool venceu nos pênaltis, após uma partida surreal. A derrota no Olímpico na Copa dos Campeões assinalou o lento declínio da Era Viola.

Os anos seguintes foram marcados por vãs tentativas de resgatar o antigo esplendor. Viola, depois de uma tentativa com Sven-Göran Eriksson, que conquistou outra Copa Itália. Mas tropeçou em uma tentativa frustrada de scudetto, tenta trazer novamente Liedholm, porém desta vez o encanto havia acabado. Neste tumultuado período, os talentos romanistas responsáveis por dar alegria à Curva Sud foram il principe Giannini e o alemão Völler, que foram figuras importantes da conquista das Copas Italianas de 1986 e 1991.

Depois da morte do presidente Dino Viola, assume então Giuseppe Ciarrapico, que fica até 1993, porém com péssimos resultados. Esse se torna um período de entre-reis, na década de 1990 que no entanto abre as portas a uma nova fase, desta vez histórica: a presidência de Franco Sensi. Os resultados no início foram minguados, e anos de transações se sobrepuseram até que fosse descoberto um dos maiores jogadores da história rubro-amarela, o romano e romanista Francesco Totti, apelidado de bambino d'oro pelo cronista Carlo Zampa.

Após os fracos resultados da década, Fabio Capello chega em 1999 com uma missão que seria cumprida em apenas duas temporadas. O terceiro scudetto da história romanista veio na temporada 2000-01, quando a equipe dominou toda a temporada. Entre os protagonistas do triunfo, estavam os próprios autores dos três gols do jogo decisivo contra o Parma na última rodada, dia 17 de junho de 2001: o capitão Totti, e os bombers Batistuta e Montella.

O ano vitorioso terminou ainda com a inédita conquista da Supercopa em cima da Fiorentina. Em 2001-02 o bicampeonato italiano consecutivo escapou por pouco, ficando a Roma a um ponto da campeã Juventus; na Coppa Italia caiu nas quartas-de-final e na Champions League na segunda fase de grupos.

A temporada 2002-03 ficou marcada pelo fraco oitavo lugar na Serie A, mas também pela derrota na Copa da Itália para o Milan e eliminação novamente na segunda fase de grupos da Liga dos Campeões. Já 2003-04 reservou outro grande desempenho no campeonato, porém o título ficou com os rossoneri, que também despacharam os giallorossi nas quartas da copa nacional; na UEFA Cup, surpreendente eliminação para o Villarreal.



A temporada 2004-05 foi outra stagione romanista nefasta: oitava posição na Serie A, vice-campeonato de Coppa Italia e queda na primeira fase da Champions League. Francesco Totti ergue a taça da Copa da Itália 2007-08: a nona da história da equipe. Entre 2004, ano da saída de Fabio Capello, e 2005, 5 técnicos passaram pelo clube: Cesare Prandelli, Rudi Völler, Ezio Sella, Luigi Delneri e Bruno Conti. Mas Luciano Spalletti, a partir da temporada 2005-06, viria para acabar com essa dança de técnicos.

O até então desprestigioso treinador conquistou três títulos à frente do banco romanista: duas Coppa Italia (2006-07 e 2007-08) e uma Supercoppa italiana (2007), além de campanhas notáveis na Serie A.

 Em 2009, após mau início de campeonato, Luciano pede demissão do comando. Claudio Ranieri assume e quase leva o clube ao scudetto e ao título da Copa da Itália, contrastando com uma queda surpresa para o Panathinaikos nas dezesseis-avos-de-final da Europa League.

A temporada 2010-11 começa com o revés na Supercopa da Itália ante a Internazionale e, após performance sofrível no campeonato italiano e eliminação impactante para o Shakhtar Donetsk na Champions League. A era Sensi se encerraria ao fim da temporada 2010-11. Franco Sensi falecera em 2008, e desde então, sua filha, Rosella Sensi, estava à frente da sociedade. Para 2011-12, a Roma já constava como propriedade de empresários estadunidenses, que adquiriram o clube com a promessa de majorá-lo sempre mais.

A Roma iniciou 2011-12 renovada. Os novos donos - de origem norte-americana, liderados por Thomas DiBenedetto -, repaginaram o clube do plantel ao marketing. Para treinador, Luis Enrique foi o escolhido. Contudo, tais mudanças não surtiram efeito de imediato. Na abertura da temporada, a Roma foi desclassificada pelo modesto Slovan Bratislava nos playoffs da UEFA Europa League.

Na Serie A, não passou de uma tímida sétima colocação. Na Coppa Italia, a Juventus desqualificou o time com goleada nas quartas-de-final: 3 a 0. Em 2012-13 James Pallotta foi nomeado o novo presidente, agora com ânimo definitivo. O clube voltou a fazer um mercado mais sortido do que à época dos Sensi. A marca do clube com tours pelos Estados Unidos e outras explorações midiáticas ficava sempre mais forte. Mais uma vez, todavia, os resultados no campo decepcionaram.


O sexto lugar no campeonato italiano não aportou o clube às competições europeias. E o pior: derrota para a rival Lazio na decisão da Copa da Itália.

Nenhum comentário