Atalanta


ORIGEM


O primeiro clube fundado na cidade de Bérgamo foi o Bergamo Foot Ball Club, fundado por imigrantes suíços em 1903 e participou de campeonatos na Lombardia até 1910.

Em 17 de outubro de 1907 Eugene Urio, Julius Ferruccio, Amati Ferruccio, Alexander Forlini e John Roberts fundaram a Società Bergamasca di Ginnastica e Sports Atletici Atalanta. Em 1913 foi criada a área de futebol no então recente criado clube, reconhecido pela Federação Italiana de Futebol em 1914, quando foi inaugurado seu primeiro campo com capacidade para 500 pessoas.

 

PRIMEIRA RIVALIDADE


Em 1911 a Società Bergamasca di Ginnastica e Scherma se fundiu com o Football Club Bergamo e em 1913 a Bergamasca começou suas atividades no futebol.

A rivalidade entre a Atalanta e a Bergamasca cresceu durante esse tempo, até explodir em 1919, quando a Federação Italiana impõe apenas uma vaga para a cidade de Bérgamo no campeonato da Lombardia (o que seria comparado com os campeonatos estaduais aqui no Brasil) a partir daquele ano.

Em partida única realizada em Brescia, a Atalanta venceu a Bergamasca por 2x0 em 05 de outubro de 1919 e ficou com a vaga no campeonato da Lombardia, no qual ficou na terceira colocação do grupo B.

 

FUSÃO


Em fevereiro de 1920 a Società Bergamasca di Ginnastica e Sports Atletici Atalanta se fundiu com a Società Bergamasca di Ginnastica e Scherma, dando origem assim a Atalanta Bergamasca di Ginnastica e Scherma, poucos depois teve seu nome simplificado para o atual Atalanta Bergamasca Calcio.

UNIFORME


O uniforme atual da Atalanta neroazzurri se deriva da fusão mencionada acima. A antiga Atalanta usava o uniforme preto e branco e a Bergamasca azul e branco, então se pegou o preto da antiga Atalanta e o azul da Bergamasca e fez-se o atual uniforme da Atalanta BC.

 

PRIMEIROS DESAFIOS


O primeiro treinador da era profissional da Atalanta foi Cesare Lovati, ex-jogador do Milan, que assumiu o comando técnico da equipe em 1925, com o objetivo de chegar as categorias nacionais do futebol italiano. No mesmo ano chegaram a Bérgamo os primeiros estrangeiros, os húngaros Lukács e Hauser. Em 1927 foi contratado o primeiro treinador estrangeiro, Imre Payer, também húngaro.

 

COMPETIÇÕES NACIONAIS


Com a criação da rodada única italiana na temporada 1929-30, a Atalanta não conseguiu a classificação para a primeira divisão, mas ficou com a vaga na Série B no classificatório em 1928-29, terminando sua primeira competição nacional na 8ª colocação.

Na temporada 1936-37, comandada por Ottavio Barbieri, a Atalanta chega pela primeira vez a primeira divisão nacional com um time formado básica de jogadores nascidos em Bérgamo. Na partida de estréia, a Atalanta recebeu a Juventus no estádio Brumana, hoje Atleti Azzurri d'Italia, que estava lotado, com mais das 15 mil pessoas que cabiam. Mas a Atalanta acabou caindo na mesma temporada.

Em 1940-41 a bergamasca voltou à Série A, com uma campanha muito honrosa, terminou na 6ª colocação, vencendo, inclusive, o Bologna, campeão italiano na temporada anterior. E se manteve na divisão de elite, até quando estava teve de ser paralisada com o início da segunda guerra mundial.

Após o término do conflito bélico mundial, a Atalanta permaneceu na primeira divisão e se estabilizou na elite, tendo a sua maior sequências seguidas de participação na Série A até a temporada 1957-58, quando foi novamente rebaixada a divisão de acesso.

 

PRIMEIRO JOGO AO VIVO NA TV ITALIANA


A Atalanta foi protagonista da primeira partida transmitida ao vivo para a TV italiana. Em 1955 a partida entre Atalanta x Triestina foi a partida escolhida pela rede de tv italiana RAI para tal feito.

 

A GLÓRIA - COPPA ITALIA

 

Nos anos 60, vários estrangeiros chegaram para reforçar a neroazzurra, como Humberto Maschio, Flemming Nielsen e Gustavsson. Em 1962-63 com todos esses reforços, a Atalanta chega a sua glória máxima até hoje, o título da Coppa Italia. A taça foi para Bérgamo após uma vitória por 3x1 em San Siro, em Milão, contra o Torino, com um hat-trick de Angelo Domenghini.

A formação que a bergamasca entrou em campo para a conquista do título foi a seguinte: Pizzaballa, Pesenti, Nodari, Veneri, Gardoni, Colombo, Domenghini, Nielsen, Calvanese, Mereghetti e Magistrelli.

Com a conquista, a Atalanta ganhou o direito de disputar a Recopa Européia, torneio disputado pelos campeões de copas nacionais, mas foi eliminada pelo Sporting Lisboa precocemente.

 

INCERTEZAS


O presidente Turani morreu em 1964, e foi substituído por Attilio Vicentini. A Atalanta permaneceu na Série A até a temporada 1968/69, quando com a transferência do atacante Savoldi para o Bologna, a equipe acabou caindo novamente ao segundo escalão do futebol italiano depois de dez anos.

Após dois anos, a bergamasca treinada por Giulio Corsini, com muitos jovens da base, o clube neroazzurro estava de volta à primeira divisão, mas apenas por duas temporadas.

Relegada ao segundo escalão nacional, a Atalanta teve sua pior sequência na Série B desde que subiu pela primeira vez pra divisão principal da Itália. Foram quatro anos na segunda divisão, até a breve volta de dois anos, teve início a pior época da Atalanta no profissionalismo. Após a queda em 1978/79, na temporada 1980/81 a bergamasca viu o fundo do poço ao cair a série C1.

A VOLTA


Após entrar em um parafuso que não parecia ter fim, o presidente Achille Bortolotti passou o comando do clube para seu filho, Cesare Bartolotti. Cesare implatou uma nova filosofia a equipe, trazendo de volta os jovens da base e a temporada na série C1 durou apenas um ano.

Na primeira temporada de volta a segunda divisão, a Atalanta ficou na oitava colocação e em 1983/84 a dea conquistou sua terceira taça da Série B, conquistando o direito de voltar à primeira divisão.

A temporada 1984/85 viu a chegada de muitos estrangeiros a Itália, como Platini, Maradona, Zico e Sócrates, entre outros. A Atalanta também trouxe os seus, dentro das possibilidades. Os suecos Lars Larsson e Glenn Peter Strömberg foram os escolhidos, mas o primeiro não deu muito certo nos gramados de Bérgamo, enquanto o segundo se tornou uma peça importantíssima do meio campo daquela equipe.

Mas a alegria da elite do futebol italiano deu lugar a tristeza de um novo descenso na temporada 1986/87, quando os lombardos foram rebaixados apenas na última rodada. Mesmo com a má campanha no campeonato daquela temporada, conseguiram chegar à final da Coppa Italia, aonde foram derrotados na primeira partida por 3x0 e na volta por 1x0 pelo Napoli, campeão italiano daquele ano.

 

AVENTURA NA EUROPA

 

Como em 1986/87 o Napoli havia sido campeão italiano, ganhando o direito de disputar a Copa dos Campeões da Europa (atual Liga dos Campeões), e da Coppa Italia, o representante italiano na Super Copa Européia (segundo torneio continental em importância na Europa envolvendo os campeões das copas nacionais) seria o vice-campeão da Coppa, ou seja, a Atalanta.

Mesmo na Série B a bergamasca fez uma grande campanha, eliminando o Merthyr Tydfil, do País de Gales, perdendo por 2x1 a ida e fazendo 2x0 na volta; os gregos do Ofi, com um 1x0 contra na ida e novamente vencendo por 2x0 na segunda partida; e o Sporting Lisboa, com vitória por 2x0 e empate por 1x1. O esquadrão só parou no Mechelen, da Bélgica, que viria a derrotar o Ajax na final, se sagrando campeão, com uma derrota por 2x0 e empate por 1x1.

Para completar a temporada, os atalantinos ficaram na quarta colocação na segunda divisão, garantindo a volta para a Série A.

No retorno em 1987/88 o time conseguiu montar seu melhor meio campo da história, talvez. Glen Peter Stromberg, Daniele Fortunato, Eligio Nicolini, Walter Bonacina e Robert Prytz formaram o meio do time que fez uma das melhores campanhas da Atalanta na história, terminando a temporada de volta à primeira divisão na sexta colocação, se classificando a Copa da UEFA.

De volta a Europa, a experiência atalantina não foi boa.A bergamasca foi eliminada logo na primeira fase para os russos do Spartak Moscou. Em 1989/90, porém, se viu a contratação daquele que viria a ser mais um grande ídolo, o argentino Claudio Caniggia, terminando na 7ª colocação. Aquela temporada, entretanto, terminaria de forma trágica com a morte do presidente do clube, Cesare Bortolotti, em um acidente de carro em junho de 1990. A cadeira da presidência voltou a ser de seu pai, Aquiles Bortolotti, que pouco depois venderia as ações do time para o imobiliarista Antonio Percassi (atual presidente da Atalanta).

Na Copa da UEFA de 1990/91 os neroazzurris não se abalaram com a perda do comandante maior e fizeram um ótimo papel, eliminando equipes como Dinamo Zagreb (Croácia), Fenerbahce (Turquia), Colônia (Alemanha) e parando apenas no duelo caseiro diante da Inter de Milão nas quartas de final.

ERA RUGGERI


Em 1993/94, Percassi não tinha mais a Atalanta como sua principal atividade, mas mesmo assim contratou Franck Suazée, meia do Olympique Marseille então campeão europeu. As expectativas acabaram se transformando em decepção com os neroazzurris finalizando o campeonato em penúltimo e sendo relegados a Sèrie B.

Com o fracasso, Percassi decidiu vender a Atalanta para Ivan Ruggeri. Em sua primeira temporada trouxe a de volta novamente para a Série A no último dia com uma vitória diante do Salerno nos playoffs. Nos anos seguintes o time bergamasco conseguiu fazer campanhas seguras no meio da tabela e dar notoriedade a jogadores como Christian Vieri e Filippo Inzaghi, que foi o único jogador da Atalanta a ser artilheiro de um Campeonato Italiano da Série A em 1996/97, com 24 bolas nas redes. O ano, porém, foi ofuscado pela trágica morte do atacante Federico Pisani em um acidente automobilístico. Em sua memória, a Atalanta aposentou a camisa 14, que costumava a usar.

Entretanto, a temporada seguinte que parecia ser promissora, com um bom início, mas acabou sendo mais um fiasco com a equipe sendo relegada novamente a segunda divisão. Para 1998/99 Borolo Mutti volta ao banco atalantino para tentar reviver as glórias dos anos 80 e buscar a retorno imediato a elite, o que não aconteceu.

 

NOVO MILÊNIO

 

Para 1999/00 a glória de estar novamente na principal divisão do futebol italiano resurge em Bérgamo com Vavassori no banco. Com muitos jovens das categorias de base o entusiasmo toma conta de todos com o acesso e na temporada seguinte termina na honrosa 7ª colocação na volta à primeira divisão.

Ruggeri tenta dar um salto nas pretensões da equipe e contrata Gianni Comandini, então no Milan, por 30 milhões de libras, a maior transação da história do clube até hoje. Apesar da grande contratação, quem se destacou foi Cristiano Doni, chegando até à seleção italiana na Copa do Mundo de 2002.

Os anos seguintes foram, novamente, de incertezas e rebaixamento em 2002/03 após perder nos playoffs para a Reggina. Novamente na Serie B, a Atalanta tinha uma longa temporada de 46 jogos pela frente, ficando, inclusive, 24 jogos sem perder, mas caindo um pouco de produção na parte final chegando em 5º, porém, garantindo o acesso. Não demorou muito e logo no primeiro ano os bergamascos foram relegados novamente à Serie B.

Stefano Colantuono assumia alí pela primeira o comando técnico neroazzurro, conquistando o acesso com o título. Na re-estréia na elite a Atalanta surpreende novamente e termina num excelente 8º lugar, bem próximo da zona de classificação para a Copa da UEFA. Ao final daquela temporada Colantuono decidiu deixar Bérgamo e assumiu o Palermo. Em seu lugar Luigi del Neri foi contratado.

 

CENTENÁRIO


As festividades pelo 100º aniversário da Atalanta tiveram início oficial em 17 de outubro de 2006, apresentando iniciativas para celebrar a história do clube. Entre os eventos houve a "Noite Neroazzura" em Bérgamo, com shows, participação de ex-jogadores, muita festa e fogos de artifício.

O término da festa foi no dia 17 de outubro de 2007, o dia do centenário, com uma programação de eventos musicais e esportivos, além de um triangular entre Atalanta, Porto e Estrela Vermelha (Com os portugueses terminando em primeiro seguido dos atalantinos) e participação no Troféu Teresa Herrera, com Real Madrid, La Coruña e Belenenses.

 

DE PAI PARA FILHO


Com Ruggeri sofrendo com um aneurisma no cérebro, em janeiro de 2008 o comando do clube foi passado para sua filha, Francesca, tendo seu filho, Alexander, como vice-presidente. Mais uma temporada segura veio terminando na 9ª colocação, parecendo com que a classificação para a Europa estaria próxima. A ótima impressão da equipe foi somada as duas vitórias contra o Milan, nos dois turnos.

Em setembro de 2008 Alexander foi nomeado presidente da Atalanta e novamente uma temporada segura dando a sensação, em alguns momentos, que poderíamos estar perto de uma volta à Europa, mas sem sucesso, finalizando em 11º.

Mais uma vez o rebaixamento assombrou os bergamasco em 2009/10. Uma temporada bastante insegura e turbulenta com várias trocas de treinador e com uma campanha pífia do início ao fim, conquistando apenas um ponto fora de casa no segundo turno inteiro, culminando no descenso.

Vendo a grande incapacidade dos filhos de Ruggeri em gerir a Atalanta, esses decidiram vender o clube e quem apareceu novamente para se tornar proprietário foi Antonio Percassi, adquirindo 70% das ações. Percassi trouxe Colantuono ao comando do time depois de três anos e de fracassar com o Torino no projeto de subir de divisão. Na Atalanta, porém, Colantuono teve sucesso e conseguiu o acesso com 3 rodadas de antecedência, além do título.

Em junho de 2011 Cristiano Doni foi investigado pela "Operação Última Aposta", que suspeitava da participação de apostas ilegais no futebol italiano e manipulação de resultados na Série B, C1 e C2. Apesar de tentar se valer da lei de responsabilidade objetiva, alegando que não houve sua participação no esquema, tenta proteger sua imagem sem sucesso. Apesar de seus companheiros de equipe, dirigentes e torcedores acreditarem veementemente na versão de inocência do grande ídolo atalantino, o capitão foi suspenso por três anos e o clube punido em 6 pontos. O zagueiro Thomas Manfredini também havia sido suspenso, mas foi absolvido posteriormente. 

 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.
UA-98132943-1