Folha de São Paulo


A Folha foi fundada em 19 de fevereiro de 1921 por um grupo de jornalistas liderado por Olival Costa e Pedro Cunha, com o nome de “Folha da Noite”.

O objetivo dos fundadores da Folha era atrair, com seu vespertino, leitores de classes médias urbanas e da classe operária. Em julho de 1925, o empreendimento ampliou-se com o lançamento de um matutino, a “Folha da Manhã”.

Os títulos mudaram de donos em 1931, quando Octaviano Alves de Lima, Diógenes de Lemos e Guilherme de Almeida compraram e alteraram a razão social da organização que editava para Empresa Folha da Manhã Ltda. A linha editorial dos diários passou a ser marcada pela defesa dos interesses dos produtores rurais paulistas.

Essa fase durou até 1945, quando o controle acionário da empresa passou para o jornalista José Nabantino Ramos, que mudou a razão social para a que mantém atualmente. Em 1949, ele fundou a “Folha da Tarde” e, em 1960, fundiu os três jornais em um, Folha de S.Paulo. O jornal adotou linha editorial identificada com os interesses das classes médias urbanas do Estado.

Em sérias dificuldades econômicas, a empresa passou em 1962 para o controle dos empresários Octavio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho.

Seu primeiro desafio foi reorganizá-la do ponto de vista financeiro e administrativo. Durante cinco anos, esse foi o principal objetivo.

De 1968 a 1974, os empresários investiram prioritariamente no aparelhamento do jornal com unidades impressoras offset, fotocomposição e um eficiente sistema de distribuição. A partir de 1974, com a infraestrutura da empresa reparada, a Redação passou a ser modificada. O jornal percebeu a abertura política do regime militar e investiu nela os dez anos seguintes.

Um projeto editorial, primeiro de uma série, foi elaborado em 1978 e passou a nortear os rumos jornalísticos da Folha, que assumiu, em 1984, liderança – entre os veículos de comunicação do país – da campanha Diretas-Já. Dois anos depois, o jornal tornou-se o diário de maior circulação no país, condição que manteve daí em diante.

Em 1991, as ações da Empresa Folha da Manhã S.A. que pertenciam a Carlos Caldeira Filho passaram a Octavio Frias de Oliveira.

Esse texto sobre a história do jornal Folha de S.Paulo foi retirado do Manual de Redação do próprio jornal. Esse manual é usado como material de estruturação dos textos desse blog desde o ano passado.

No Manual de Redação da Folha S.Paulo além de conter anexos gramaticais, verbetes e anexos relativos às mais diversas áreas como legislativo, jurídico entre outros, possui o projeto editorial da Folha de S.Paulo.


Esse processo editorial pode ser aplicado em jornais impressos de pequeno porte e também nos dias atuais em portais de notícias para quer investir na criação de um veículo de comunicação em sua cidade ou região.

Nenhum comentário