Fenerbahçe

Há várias décadas que o futebol turco vem sendo dominado por um Leão, um Canário e uma Águia. E a casa de todos esses animais é a mesma: Istambul. Estamos falando dos três clubes mais poderosos da Turquia, Fenerbahçe, Galatasaray e Besiktas, representados justamente por essas mascotes. A soberania dessas equipes é tamanha que apenas sete Campeonatos Turcos foram conquistados por outros times até hoje.

Fenerbahçe


Obviamente, o recordista em títulos do país só poderia ser um dos três clubes. E o maior campeão é o Fenerbahçe. O impressionante sucesso foi conquistado a despeito de o time azul e amarelo ser o mais jovem dentre os três gigantes de Istambul. Enquanto o Besiktas foi fundado em 1903 e o Gala em 1905, o Fener só passou a existir em 1907.

O nascimento

Desde aquela época, Istambul já era conhecida como a única cidade do planeta situada em dois continentes e contava com as pessoas certas para fomentar grandes rivalidades e despertar fortes emoções. Afinal, em uma metrópole com 13 milhões de habitantes, seria quase impossível que todos os torcedores apoiassem o mesmo clube. Foi assim que, dois anos após a criação do Galatasaray, foi fundado o Fenerbahçe do outro lado do estreito de Bósforo, no bairro de Kadiköy.

Além da diferença geográfica, havia também uma diferença social. O Fenerbahçe era o clube da classe operária, enquanto o Galatasaray era tido como um time mais aristocrata.

Aliás, a criação do Fener precisou ser celebrada em segredo, e essa clandestinidade permaneceu nos primeiros anos da sua existência. O motivo é que o sultão Habdullamid II enxergava com ceticismo qualquer tipo de reunião de jovens naquela época. Por conta disso, até a alteração de uma lei que dispunha sobre a questão, todas as atividades do gênero precisavam ser tratadas com confidencialidade. Isso só mudou em 1908, quando o Fenerbahçe finalmente se tornou o primeiro clube turco cuja existência foi aceita pelo governo e legalmente reconhecida.

O primeiro emblema da nova agremiação foi um farol situado no promontório do bairro do Fenerbahçe e as suas primeiras cores foram as do narciso, branco e amarelo. No ano de 1910, no entanto, o emblema e as cores foram alterados pelo designer Topuz Hikmet. O brasão passou a ser composto por cinco cores: a parte branca em forma de anel representa a pureza e a sinceridade, o vermelho significa o amor e o patriotismo turco, o amarelo simboliza a admiração e a ambição, o azul marinho representa a nobreza, a folha de carvalho simboliza a força e o poder do clube e, por fim, o verde mostra que o sucesso do Fenerbahçe será eterno. Já as cores novas da camisa, que permanecem até hoje, passaram a ser o amarelo e o azul marinho.

O crescimento

Em 1909, a equipe participou pela primeira vez do Campeonato Turco, mas só em 1912 comemorou o primeiro título. O primeiro troféu foi levantado em grande estilo, já que o Fenerbahçe permaneceu invicto durante todo o ano.

Durante os anos de guerra (1918-1921), a bola continuou rolando para o Fenerbahçe, que enfrentou clubes da Inglaterra e da França. Outro motivo da popularidade do Canário é que ninguém menos do que Atatürk, fundador da república da Turquia, torcia pelo time.

Até a criação da Liga Turca oficial em 1959, o Fener conquistou nove campeonatos nacionais não oficiais. E com a oficialização, uma coisa não mudou: o domínio do Canário, da Águia e do Leão. Nos primeiros dez anos do novo torneio, o Fenerbahçe conquistou cinco títulos.

Internacionalmente, entretanto, os primeiros triunfos precisaram esperar por muito mais tempo. É verdade que em 1967 o clube venceu a Copa dos Bálcãs e, na temporada 1963/64, chegaram as quartas de final da Liga dos Campeões da UEFA, mas o Fenerbahçe precisou aguardar mais até causar sensação entre os gigantes da Europa.

O presente

O início do novo milênio não foi nada bom para o Canário, que precisou observar impassível ao eterno rival Galatasaray se consagrar no cenário europeu. Na temporada 1999/2000, o Leão se sagrou campeão da Copa da UEFA (atual Liga Europa) e também da Supercopa da UEFA.

Para se aproximar do rival, o Fenerbahçe iniciou uma política de contratações nunca antes vista na Turquia. Desembarcaram em Kadiköy astros como Nicolas Anelka, Stephen Appiah, Pierre van Hooijdonk, Roberto Carlos e Alex, todos sob o comando de Zico, com o objetivo de fazer frente ao Galatasaray no cenário europeu.

Na temporada 2007/08, o sucesso internacional das duas equipes ficou mais equiparado quando o clube fez uma boa campanha na Liga dos Campeões. O Fenerbahçe permaneceu invicto atuando dentro do Estádio Sukrü Saroçoglu e chegou a derrotar equipes como Internazionale, PSV, Sevilla e Chelsea. O Canário só se despediu da competição nas quartas de final, em uma apertada série contra os Blues.

Em 2007, o Fener também passou a ser o recordista em títulos do país, superando uma antiga marca estabelecida pelo rival Galatasaray. Mais tarde, sempre sob o comando do brasileiro Alex, considerado um dos maiores ídolos da história do clube, consolidou-se como a grande força do país nos últimos 50 anos.

Recentemente, o técnico da seleção alemã, Joachim Löw, falando sobre a sua passagem pelo Fenerbahçe entre 1998 e 1999, comentou que o futebol é como uma religião na Turquia. Com isso, o comandante da Nationalelf deixou claro como os turcos amam o esporte mais popular do planeta. Analisando a história, não restam dúvidas de que Löw está certo. Como isso não deve mudar em breve, o Fenerbahçe continuará fazendo de tudo para continuar no topo no futuro.

O estádio

Enquanto inúmeros clubes do mundo todo resolvem construir uma nova arena ao longo dos anos, o Fener segue fiel ao seu Estádio Sukrü Saroçoglu. Inaugurado em 1907, o ninho do Canário passou por um amplo processo de modernização entre 1999 e 2008.


Desde então, a capacidade do local passou de 25 mil para mais de 50 mil e ele foi reconhecido pela UEFA como um estádio cinco estrelas. Entre outros eventos importantes, abrigou a final da Copa da UEFA em maio de 2009 entre Werder Bremen e Shakhtar Donetsk.

Nenhum comentário