Fernando Alonso


Fernando Alonso Díaz (Oviedo, 29 de Julho de 1981) é um automobilista espanhol. Foi campeão mundial pela Renault em 2005 e 2006.

Carreira

Alonso  no GP da Alemanha de 2011
O início de Alonso no mundo do automobilismo foi com três anos, quando seu pai lhe deu um kart que ele mesmo tinha construído. Um ano mais tarde obtém a licença oficial da Federação Espanhola. Em 1988, com sete anos, ele ganha o seu primeiro campeonato, ganhando as oito corridas que constavam do campeonato. Um ano mais tarde, em 1989, é campeão de kart das Astúrias e Galiza.

Devido às mudanças de categoria, a família não poderia sustentar as despesas. Perto do abandono aparece Genís Marco, um importador de karts, que se encarregaria do financiamento: fornecer os karts e procurar patrocinadores. Acabou ele por tornar-se, também, um patrocinador.

Em 1991, como cadete, é campeão das Astúrias e do País Basco. É campeão da Espanha em 1993 e 1994 como júnior, o que lhe permitiu competir no Campeonato Mundial no ano seguinte. Ficou com o terceiro lugar, sendo o campeão Kimi Räikkönen, que viria a ser seu adversário na Fórmula 1.

Em 1996 torna-se campeão da Espanha, do Troféu Festival de Itália, do Grande Prêmio de Marlboro e do Campeonato Mundial de Juniores. No anos seguintes torna-se campeão da Espanha, Itália e da Europa na Categoria Internacional A. Em 1998 volta a ganhar o Campeonato da Espanha, o Troféu Paris-Bercy, a Indústria de Itália e o Open Ford.

Salto para a Fórmula 1

Em 1999 entra "nesse mundo" quando o ex-piloto da Minardi Adrián Campos passa a ser seu Manager. Substitui Marc Gené na Fórmula Nissan. Alonso conquista nove pole positions, oito voltas mais rápidas e seis vitórias. Torna-se vencedor do campeonato Euro Open Movistar.

Da Fórmula Nissan passa para a Fórmula 3000, na equipe Astromega (ganhando o Grande Prêmio da Bélgica e chegando em segundo no Grande Prêmio da Hungria, no ano da estreia). Passa para a Fórmula 1 (pela equipe Renault), mas é cedido à Minardi como piloto de testes. Estreou na Minardi no Grande Prêmio da Austrália, em 2001, e torna-se o terceiro mais novo a fazê-lo.

Em 2002, Flavio Briatore acaba com a cessão à Minardi e coloca-o como piloto de testes na própria equipe que dirige. Um ano mais tarde já é o piloto oficial da Renault.

Em 22 de Março de 2003, com vinte um anos, sete meses e vinte e dois dias, no Grande Prêmio da Malásia, tornou-se o piloto mais jovem a conseguir uma pole position (marca que foi batida por Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Itália de 2008) e, é o primeiro piloto espanhol a subir ao pódio. Alonso também consegue ser o piloto mais novo a ganhar um grande prêmio, o Grande Prêmio da Hungria, com vinte e dois anos e vinte e seis dias (marca que também foi batida por Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Itália de 2008). Também em 2003, Fernando Alonso sofre um grave acidente no Grande Prêmio do Brasil, mas sem consequências: seu carro bateu a mais de duzentos e oitenta km/h nos destroços do carro de Mark Webber e, logo em seguida, bateu com muita força no muro, em plena reta dos boxes de Interlagos.

Títulos mundiais

Em 20 de Março de 2005, no Grande Prêmio da Malásia, consegue a sua segunda vitória e torna-se o primeiro piloto espanhol a liderar o mundial de Fórmula 1. Em 25 de Setembro de 2005, no Grande Prêmio do Brasil, Alonso sagrou-se o mais jovem campeão da história da Fórmula 1, com vinte e quatro anos e cinquenta e seis dias, derrubando o recorde anterior de Emerson Fittipaldi, campeão com vinte e quatro anos, oito meses e vinte e nove dias.

Na temporada de 2006, Fernando Alonso conquista seu segundo título mundial, também no Grande Prêmio do Brasil, chegando na segunda colocação da corrida, no dia em que Michael Schumacher fez a sua ultima corrida na Fórmula 1 e que Felipe Massa venceu, após treze anos sem vitória brasileira em Interlagos.

A difícil temporada de 2007

Após conquistar dois títulos mundiais pela Renault, o piloto espanhol transferiu-se para a McLaren, com o status de primeiro piloto. Porém, passou a enfrentar problemas dentro da própria equipe, graças aos excepcionais resultados do estreante piloto inglês Lewis Hamilton, que logo nas primeiras corridas obteve bons desempenhos.

Os dois pilotos da equipe disputaram o título, ponto a ponto, até o final, mesmo após a polêmica declaração do dirigente da organização, Ron Dennis, no Grande Prêmio da China, de que "a McLaren não corria contra Kimi Räikkönen (então com dezessete pontos de desvantagem aos pilotos da McLaren), mas sim contra o próprio Alonso". A falta de apoio ao espanhol, aliado aos problemas no carro e erros de Lewis Hamilton nas duas provas finais, resultaram no surpreendente título mundial do finlandês Kimi Räikkönen, da equipe Ferrari, por um ponto de diferença sobre a dupla da McLaren. Alonso no critério de desempate terminou em terceiro lugar no campeonato, já que no número de segundo lugares, Hamilton tinha um de vantagem. Dias após a prova final do campeonato, Alonso rompeu, "amigavelmente", seu contrato junto ao time britânico.

Em 2008, Alonso disputou o campeonato pela equipe Renault, marcando um retorno a equipe que defendeu nas campanhas vitoriosas de 2005 e 2006 e tendo como companheiro de equipe o brasileiro Nelson Ângelo Piquet. Ao longo da temporada, conquistou três pódios, obtendo duas vitórias (Grande Prêmio de Cingapura e Grande Prêmio do Japão) e um segundo lugar no Grande Prêmio do Brasil.

Ferrari

Em 30 de setembro de 2009, Alonso foi anunciado como novo piloto da italiana Ferrari para a temporada de 2010, assinando um contrato de três temporadas.

No ínicio da temporada 2010, no Grande Prêmio do Bahrain, Alonso venceu a primeira corrida defendendo a equipe italiana.Na atual temporada, conseguiu outros três pódios, na Espanha, no Canadá e a polêmica vitória na Alemanha. Na ocasião, seu companheiro de equipe, o brasileiro Felipe Massa tinha assumido a ponta na largada e liderado a maior parte da prova, entretanto a equipe julgou que o piloto espanhol era mais rápido e pediu a Felipe que cedesse a posição. Felipe o fez e Alonso venceu a prova. O ocorrido gerou muitas críticas, já que o regulamento proíbe "ordens de equipe que interfiram no resultado da corrida". A Ferrari foi multada em US$ 100 mil, além de o caso ter sido encaminhado ao Conselho Mundial da FIA onde será julgado e os acusados poderão sofrer outras penas.

Fernando já havia se envolvido em grande polêmica durante o Grande Prêmio da China, quando, durante a vigésima terceira volta, quando o safety car entrou na pista após um acidente, Felipe Massa ia à frente para o boxe, mas o espanhol o ultrapassou na entrada dos pits e levou vantagem sobre o brasileiro gerando críticas e um clima tenso na equipe.

Vida Pessoal

Filho de José Luis Alonso e Ana Díaz, dos quatro aos catorze anos estudou no Colégio de Santo Ángel de la Guarda, passando, depois, para o Instituto Leopoldo Alas Clarín de San Lázaro, onde permaneceu até 2000. Abandonou a escola por motivo das competições.

Fernando Alonso é casado com a cantora espanhola Raquel del Rosario, vocalista do grupo El Sueño de Morfeo. O casal começou a namorar no segundo semestre de 2005 e casou-se no final de 2006. Por vezes a imprensa espanhola especulou sobre uma suposta gravidez da Raquel, porém ambos negaram estar planejando ter um bebê. No final de 2009 a imprensa anunciou a separação do casal, posteriormente, também negada por ambos.

Equipes na Fórmula 1

Nenhum comentário