Galiza

A Galiza (em galego, Galiza ou Galicia, em castelhano Galicia; no Brasil também se utiliza Galícia, adaptação da forma castelhana, ver secção "nome"), é uma comunidade autónoma espanhola situada no noroeste da Península Ibérica. Limita-se ao sul com Portugal, ao oeste com o Oceano Atlântico, ao leste com as Astúrias e Castela e Leão. Tem o estatuto de nacionalidade histórica.


É formada pelas províncias da Corunha, Lugo, Ourense e Pontevedra. Geograficamente, limita-se ao norte com o mar Cantábrico, ao sul com Portugal, a oeste com o oceano Atlântico e a leste com o Principado das Astúrias e Castela e Leão (províncias de Zamora e de Leão).

À Galiza pertence o arquipélago das ilhas Cíes, o arquipélago de Ons, e o arquipélago de Sálvora, assim como outras ilhas como Cortegada, Arousa, as Sisargas, ou as Malveiras.

Galiza possui cerca de 2,78 milhões de habitantes (2008), com uma densidade demográfica que aglomera maior na faixa entre Ferrol e Vigo. Santiago de Compostela é a capital da Galiza com um estatuto especial, dentro da província da Corunha.

O hino da Galiza, Os Pinos, elaborado por Eduardo Pondal, se refere à Galiza como a nação de Breogán, herói celta. O Estatuto de autonomia, em seu primeiro artigo, define a Galiza como uma nacionalidade histórica.

História





Pré-historia

Devido ao caráter ácido do solo galego, é incomum a conservação de restos orgânicos e inorgânicos.[carece de fontes?] Todavia, no reservatório de Cova de Eirós foram preservados restos de animais e líticos dos neandertais até o médio Paleolítico, graças a seu ambiente básico. Também existem outras reservas do Médio Paleolítico no Baixo Minho e na depressão de Ourense.

Cultura megalítica

A primeira grande cultura claramente identificada, se caracterizava por sua capacidade construtora e arquitetônica, junto com seu sentido religioso, fundamentado no culto aos mortos como mediadores entre o homem e os deuses.

Diz-se que a sociedade estava organizada num tipo de estrutura de clãs. Da época do megalítico depõe milhares de túmulos estendidos por todo o território, em seu interior estes túmulos escondiam una câmara funerária de dimensões maiores ou menores, edificada com brames de pedra, conhecidas como dólmen.

Cultura céltica castreja

Período de tempo da chegada dos celtas e assentamento, bem como fortificação nos seus castros

.

Floresceu na segunda metade da Idade de Ferro, resultado da fusão da cultura da Idade de Bronze e outros contributos posteriores, coexistindo em parte com a época romana. Os celtas trouxeram novas variedades de gado, o cavalo domesticado e provavelmente o centeio.

O primeiro povo celta que invade Galiza é o dos Saefes, no século XI a.C. Submeterá ao Oestrymnio, mas este influirá no primeiro sobretudo no terreno da religião, da organização política e das relações marítimas com Bretanha e Inglaterra. O seu carácter eminentemente guerreiro fez que Estrabão dissera deles que eram os mais difíceis de vencer de toda a Lusitânia. É preciso dizer que a província romana da Gallaecia própria dos galaicos ainda não estava constituída política e administrativamente.

Os castros são recintos fortificados de forma circular, providos de um ou vários muros concêntricos, precedidos geralmente do seu correspondente fosso e situados, os mais deles, na cimeira de colina e montanhas. Entre os castros de tipo costeiro destacam o de Fazouro, Santa Trega, Baronha e O Neixón. No interior podem mencionar-se os de Castromao e Viladonga. Comum a todos eles é o facto de que o homem se adapta ao terreno e não ao contrário.

Século XIX

Até ao século XIX, a Galiza estava dividida em sete províncias: Mondonhedo, Lugo, Ourense, Tui, Santiago, Corunha e Betanzos. Desde essa época, as províncias foram reduzidas a apenas quatro.

Tinha órgãos de governo próprios, sendo eles, a Junta da Galiza ou Xunta de Galicia (em galego) e o Parlamento Galego.

Portugal foi um destino migratório para muitos galegos, desde o tempo da reconquista.

Política

Número de deputados no Parlamento de Galiza, em 2009:

• Partido Popular de Galiza (PPdeG): 38 deputados

• Partido Socialista da Galiza-Partido Socialista Operário Espanhol (PSdeG-PSOE): 25 deputados

• Bloco Nacionalista Galego (BNG): 12 deputados

Número de votos das forças políticas com representação parlamentar nas eleições (19. julho 2005):

• Partido Popular de Galiza (PPdG): 756.202

• Partido Socialista da Galiza-Partido Socialista Operário Espanhol (PSdeG-PSOE): 555.246

• Bloco Nacionalista Galego (BNG): 311.839

Número de votos das forças políticas sem representação parlamentar:

• Esquerda Unida (coligação que inclui o PCG, Partido Comunista da Galiza): 12.042

• NÓS-UP (independentista de esquerda): 1.749

Nacionalidade galega

Actualmente, o Estatuto de Autonomia de Galiza define a Galiza como "nacionalidade histórica".

A "Defesa da Nacionalidade" foi assinada em público (Pacto de Governo), após o acordo de coligação.

Geografia

A Galiza divide-se em quatro províncias: Corunha, Lugo, Ourense e Pontevedra. Sua capital é a cidade de Santiago de Compostela, na província da Corunha.

Além da divisão provincial, a Galiza também subdivide-se em comarcas e concelhos (ver comarcas da Galiza e concelhos da Galiza)

As cidades mais populosas são: Vigo (293.000 habitantes), Corunha (243.000), Ourense (108.000), Lugo (93.000), Santiago de Compostela (93.000), Pontevedra (81.000) e Ferrol (76.000) Área: 29.575 km². População aproximada: 2.760.000 milhões.

A densidade total da população é 93,8 habitantes por quilômetro quadrado.

Cultura

Língua

A língua galega é a língua própria da Galiza, e assim foi reconhecida legalmente no seu Estatuto de Autonomia, tornando-se uma das suas línguas oficiais. A outra língua oficial é o castelhano, língua alheia ao território e imposta por diversas causas políticas que remontam à Idade Média. Além disso, em várias comarcas de Leão e Astúrias, que limitam com o oriente da Galiza, fala-se também galego. Estas comarcas, separadas da Galiza administrativa no século XVIII, são reivindicadas por uma parte do nacionalismo galego como pertencente à nação galega.

Disputa linguística

Não existe consenso quanto à relação entre a língua galega e a língua portuguesa. A postura oficial na Galiza afirma a total distinção entre ambas línguas, não havendo nenhuma menção desta semelhança no Estatuto autonômico, o qual prevê apenas a Real Academia Galega como competente para determinar a normativa da "língua própria" da Galiza. Porém no atual acordo ortográfico (2003) é feita uma referência ao português como critério utilizado à hora de elaborar a norma.

No entanto, existe na Galiza um movimento reintegracionista, que defende a tese de que a língua portuguesa e o galego nunca se separaram realmente, sendo variantes da mesma língua, tal como podem ser o português de Portugal e o português brasileiro. Denominam à variante da Galiza como galego, galego-português, portugalego ou português da Galiza.

Nome

Em galego os nomes oficiais são Galiza e Galicia, esta última forma considerada maioritária e preferente pela Real Academia Galega e também usada em castelhano. A Real Academia Galega e o Instituto da Língua Galega admitiram Galiza e Galicia na sua normativa de concórdia do verão de 2003. A Associação Galega da Língua, pertencente ao movimento reintegracionista, admite apenas Galiza.

No Brasil, diversas obras utilizam o termo "Galícia", inclusive dicionários e enciclopédias tais como o Minidicionário Antônio Olinto, o Minidicionário Soares Amora, o Minidicionário Sacconi, o Dicionário Silveira Bueno, a Grande Enciclopédia Larousse Cultural, a Enciclopédia Geográfica Universal e o Dicionário Houaiss, de Antônio Houaiss. Este último utiliza tanto "Galiza" como "Galícia" no seu verbete sobre o gentílico "galiciano", não o citando, porém, no verbete "galego", em que aparece apenas a forma "Galiza".

Todavia, obras como o Dicionário de Questões Vernáculas de Napoleão Mendes de Almeida ou A imprensa e o caos na ortografia de Marcos de Castro, afirmam com veemência a condição de barbarismo que representaria o uso do termo Galícia em detrimento do português Galiza. Outras obras, como o Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado nem mesmo registram o referido termo, cujo uso, segundo alguns autores, teria sido disseminado no Brasil como adaptação do topônimo mais comum na Galiza, Galicia, por uma possível influência dos numerosos imigrantes galegos que chegaram ao país.[11]

Clubes de futebol

Salientam-se as equipas que jogaram na Primeira Divisão espanhola ou jogaram finais da Copa do Rei: o Real Club Deportivo de La Coruña, o Real Club Celta de Vigo, a Sociedad Deportiva Compostela, o Pontevedra Fútbol Club e o Racing Club de Ferrol.

Curiosidades

Em muitas regiões do Nordeste do Brasil, galego é o termo mais popular para identificar pessoas com aparência Norte-Europeia, tal como o vocábulo "alemão" e "russo" são usados em São Paulo. Isso ocorre principalmente porque no Nordeste os alemães não marcaram tanta presença, e portanto durante o período colonial, as pessoas mais claras eram majoritariamente de Portugal do Norte e da fronteira Galega, que foi excluída das grandes navegações espanholas (para tentar evitar o separatismo da nação Suevo-galego-norte-portuguesa) e provavelmente mandou muitos de seus filhos ao Brasil durante o período colonial, sendo quase impossível determinar quantos brasileiros possuem ao menos um ancestral galego hoje em dia.


Em homenagem a Espanha,campeã mundial de futebol eu postarei nesse as mais diversas regiões que compõem a Espanha; leiam sobre o País Basco, o marcador é História em Geral.

Proxima Regiao:  Astúrias

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.
UA-98132943-1