Piratas da Somália

São cidadãos somalis que atuam na costa da Somália, no Oceano Índico, e atacam navios cargueiros que atravessam o Golfo de Aden. Para saquear e sequestrar navios utilizam barcos de fibra de vidro, armamentos pesados e plano de ação executados por grupos de 10 a 50 homens.




Além de saquear dinheiro e produtos dos navios, ainda cobram recompensas pelo resgate dos tripulantes e embarcações , em média 2 milhões de dólares por cada navio. A pirataria somali está mais concentrada no Golfo de Aden, que em terra corresponde a região de Puntland, na corte norte da Somália.



As incursões dos piratas somalis são relacionadas com o enfraquecimento do Estado somali e do enfraquecimento de sua política interna, principalmente da União das Cortes Islâmicas. Sendo um dos países mais pobres do mundo, o governo somali nas últimas décadas sempre se colocou ausente perante as situações social e econômica do país.



Este cenário se agravou a partir dos anos 90, com a deposição de Siad Barre, o litoral pesqueiro é explorado somente para a pesca de subsistência, e a falta de uma patrulha estatal nas águas somalis permitiu o avanço dos piratas . Nos anos 2000, Um fraco governo de transição passou a ser apoiado pelo exército etíope, no país milhões de pessoas ainda vivem abaixo da linha de miséria e vitimados pela fome.



Em 2008, cerca de cem navios foram abordados na costa da Somália, gerando prejuízos para várias empresas e países exportadores. O desvio que empresas navais realizam para não passar pelo Golfo do Aden encarece a logística dos produtos transportados.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.
UA-98132943-1